Marcelo Sales

Como serviços aéreos e marítimos podem ficar mais competitivos, seguros e eficientes com análise de dados

Blog Post created by Marcelo Sales Employee on Jan 14, 2019

O uso de Video Analytics (VA), Inteligência Artificial (IA), Internet das Coisas (IoT) e Big Data pode melhorar, entre outras coisas, a experiência do cliente no setor de transportes

 

*por Marcelo Sales

 

Viajo muito à trabalho e, durante meus percursos, gosto de pensar em todos os processos e sistemas que se conectam ao meu redor, por exemplo, quando estou em um terminal aéreo. Sei que tudo por ali deve buscar me proporcionar uma melhor experiência. E, para que tudo funcione com esse objetivo, é preciso de tecnologias como Video Analytics, IA, IoT e Big Data. A intenção é clara e o objetivo é nobre: serviços aéreos e marítimos, principalmente os que estão conectados ao consumidor final, precisam se manter seguros, competitivos e eficientes e, com isso, proporcionar benefícios ao usuário.

 

O jornal Financial Times publicou uma reportagem que apresenta dados de pesquisadores da Amrita School of Engineering, na Índia, apontando que um voo transatlântico médio gera cerca de 1.000 gigabytes de dados, o equivalente a cerca de 2.000 horas de gravação com qualidade de CD¹.

 

Text#12_pexels_action-adult-airport-861139.jpg

Fonte: www.pexels.com

 

 

Experiência do consumidor

 

Em um aeroporto, a experiência do consumidor acontece ou a partir da companhia aérea ou pelo próprio serviço do aeroporto. Ambos, ao meu ver, tem se concentrado em empregar tecnologia para tornar o momento com suas marcas mais atraentes. Há muitas oportunidades para o setor já que, com o constante desenvolvimento de IA e IoT, é possível coletar dados muito rapidamente, analisar e criar ocasiões satisfatórias para os clientes.

 

É muito comum encontrarmos dificuldades relacionadas aos passageiros em trânsito. Em geral, passam pouco tempo no aeroporto e estão sempre preocupados com sua mala e conexões. Além disso, muitas vezes, precisam passar por contratempos estruturais, como uma escada rolante parada ou um elevador desativado. Tudo isso contribui para diminuir a satisfação do cliente.

 

Situações como essas afetam diretamente a reputação de aeroportos e estão impactando diretamente o negócio, uma vez que companhias aéreas (e passageiros) começam evitar pousos e decolagens destes locais. Com tecnologias alinhadas e análise adequadas, é possível evitar que essa receita seja perdida por meio de decisões rápidas baseadas em dados.

 

Segurança garantida

 

Já quando pensamos em segurança marítima, os profissionais envolvidos buscam na tecnologia apoio, principalmente, para garanti-la em todos os momentos necessários. Desse modo, a robustez que é encontrada em monitoramento via IoT é um atrativo para enfrentar o desafio que é o planejamento, a inspeção e o agendamento de manutenção de equipamentos e embarcações - além de diminuir o tempo em terra quando necessário, já que é possível provisionar a manutenção. A partir de dados dinâmicos e atualizados, as decisões são mais assertivas e evitam especulações e tempo desnecessário despendido diante de possíveis situações. Além disso, inúmeros riscos (e despesas adicionais) são eliminados quando medidas estão associadas à dados.

 

Nesse caso, a IoT simplifica o planejamento de reparos por meio de sensores e monitores de desempenho. Todos eles podem ser conectados a praticamente qualquer mecanismo de uma embarcação para fornecer dados em tempo real sobre a velocidade e a confiabilidade de qualquer componente. O maior ganho da adoção dessas tecnologias é poder avaliar o desempenho das operações, prever falhas e situações de risco e analisar cenários. E isso pode ser feito também no caso de aeronaves e aeroportos.

 

Além de serem consideradas o meio de deslocamento mais rápido com destino para Manhattan, as balsas, no porto e nos rios da cidade de Nova York, são transportes fundamentais para boa parte da população. Em operação desde 1986, a hidrovia segue aprimorando seus sistemas de segurança, por meio de sensores, monitoramento e análise, além da experiência do consumidor. Aqui, neste vídeo, é possível ver como a hidrovia de Nova York está conseguindo otimizar sua operação por meio do uso de tecnologias.

 

Otimização operacional

 

Os céus e mares estão mais ocupados do que nunca. E hoje muitos dados já são coletados, armazenados e analisados ao longo de uma rede de IoT. Sensores integrados monitoram tudo, desde o número de aeronaves e navios que estão em trânsito até mesmo o tipo de carregamento que estão trazendo.

 

É preciso, no entanto, estabelecer melhores sistemas que garantam a gestão de frota e tráfego. Penso que a IoT é a melhor opção para garantir que sistemas aéreos e marítimos possam funcionar com segurança, fornecendo dados para orientar decisões, muitas vezes, complexas.

 

Além disso, vale lembrar que a IoT já é comum em outras indústrias baseadas em logística, apresentando ganhos reais de eficiência. Tudo isso pode funcionar como um excelente aprendizado. Se está interessado em mais informações sobre como é possível melhorar a experiência de passageiros e aprimorar o setor de transportes e infraestrutura, sugiro que leia também sobre as soluções da Hitachi para a construção de portos e aeroportos inteligentes.

 

1. Financial Times - How airlines aim to use big data to boost profits

 

*Marcelo Sales é diretor de Arquitetura e Pré-vendas da Hitachi Vantara LATAM

Outcomes